quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Me apaixonei. De novo!!

Tudo começou sem a menor pretensão que virasse nada do que não virou.
Já nos conhecíamos desde de você bem criança, mas nunca fomos de ter intimidade ou saber mais sobre ele.
Como já o conhecia, no dia que precisei entregar a casa em que eu morava, pedi sua ajuda na mudança. Tudo ocorreu bem, ele me ajudou, no dia seguinte foi me ajudar a por armário e tudo ok. Passamos um mês sem nos ver, algo que pra mim não fez a menor diferença. Estava triste e me sentindo muito só em uma outra casa totalmente pequena, com vizinhos estranhos e me sentindo muito só. Nada de emprego, de amigos, nada. Isso foi em Junho deste ano.
Não suportando a nova moradia, comecei novamente a procurar outro lugar pra morar, aqui mesmo na rua onde eu morava. Com ajuda de vizinhos e do dono da casa que estou atualmente, consegui voltar a morar no beco. Local que já havia morado há uns sete ou oito anos atrás.
Ao voltar pro beco; local onde ele também mora, nos aproximamos mais e digamos que quase fomos amigos, ele passou a frequentar bastante aqui em casa. Era divertido; a gente ria muito, falávamos besteiras, almoçávamos, tomávamos café e eu, carente que sou me acostumei a isso. Dei até apelido de Baby Bofe, em homenagem a uma personagem da novela das sete que namorava uma mulher mais velha. (inconscientemente eu acreditava que seria como na novela) Então ai as coisas começaram a mudar. Quando ele não vinha, por ser final de semana e ir pras baladas ou casas de outras pessoas, eu sentia muita falta e cobrava tal presença, sentia ciúmes, me sentia só e isso foi ficando serio e falando (como sempre, falando demais) dele pra todos e quando dei por mim. Pah!!! Completamente apaixonado. Eu, 36 anos e apaixonado por um garoto de 17 anos. Que como todos dizem: Não tem nada a me oferecer; mas pra ele era o suficiente, já que eu também não tenho nada a oferecer a ele.
Na minha cabeça; bastava ele também me querer para sermos felizes para sempre. Mas sou estudante de Psicologia. Já estudei muito sobre adolescência e sei exatamente como eles funcionam. Nesta fase o hedonismo impera. E cego de paixão, esqueci disto, e queria reconhecimento e gratidão e até mesmo fidelidade. Mas fidelidade a que mesmo?
E lá vou eu tratar disto na terapia. 2, 3 ,4 e várias sessões só falando dele. (sorte que mudei de psicólogo, pq o anterior, tenho certeza que queria me dá de vassourada a esta altura do campeonato. Depois de tudo que vivi com Anderson)
Não estou curado desta paixonite totalmente sem noção (reconheço, mas me apaixonei sim por ele tá!)
O tratamento é doloroso, é sofrido e todos que já gostou sem ser correspondido, sabe como isso dói.
Mas com esta história com meu lindo Baby Bofe, fui trazendo outras amarras pra terapia. O nunca dizer Não, o querer sempre agradar a todos, a disponibilidade permanente. é estranho, mesmo pra mim que tenho de cada dia amis aprender sobre o comportamento humano. O ser humano ÑÃO gosta de quem sempre o trata bem. é muito louco, mas é a mais pura verdade. As pessoas se cansam de quem elas sabem que tem na mão. É o velho clichê, de perder pra aprender a dá valor.
As vezes parece que estou sozinho nadando contra todos. Pois sou assim: Quando gosto, eu cuido bem, fico disponível. E com ele fui assim também. Como fui com todos os outros que me apaixonei e NUNCA os tive. Gostaria de dizer que nunca mais quero me apaixonar, mas é como Freud me ensinou: O sintoma é meu gozo. Mas mesmo vindo a gozar do sintoma novamente, vou tentar com todas as minhas forças ser menos disponível, menos meloso e se for pra gozar que seja transando e não de sintomas.
E como dói a indiferença né? Você manda um zap e o demônio nem tchum, passa em frente a sua casa e nem ai também. Parece que você nunca existiu. E o passional aqui, se preocupa se está bem, se almoçou e tudo mais.
Preciso muuuuito aprender a ser um pouco mal em 2017.
É muito amor dentro de uma pessoa só.  

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Solidão.

Há tempos venho sentindo o cansaço de viver.
Sem emprego, sem dinheiro, sem amigos, sem um amor... sem quase nada nesta vida; apenas uma sub vida.
Desde Agosto de 2014, quando comecei o curso de Psicologia, voltei a ter um sonho, um motivo pra continuar.
Mas como diz a escala de Maslow: não dá pra se estar bem em uma coisa quando outra estar uma merda total.
E esta merda é falta de dinheiro.
Sem dinheiro nada acontece. Não se passeia não se come bem, não se veste, não se tem “amigos” não se tem nada.
Estou desde fevereiro de 2014 sem trabalhar, vivendo de ajuda, de migalhas, de doação.
Este mês não tive mais como me manter na casa que morei por quase oito anos. Estou agora num cubículo, onde mal consigo me mexer aqui dento. Pra vir pra cá tive de vender algumas coisas minhas pra puder pagar a fiança do aluguel, sem saber o que farei no mês que vem.
Me sinto mais só do que nunca.
Percebo que todos se afastaram de mim. Não tenho mais quase ninguém pra chamar de amigo.
Me sinto velho, feio, sem projeção para o futuro.
O sonho da Psicologia vai se tornando utopia.
A vontade desistir de tudo é muito grande.
Sinto saudades de quem nem se lembra que um dia me conheceu.
Sinto inveja, raiva, ciúmes e até ódio (deixo minha sombra livre)
Sempre me pegunto o porquê que eu nasci? Qual minha função neste mundo? Porquê uma vida tão desgraçada?
Pra quê viver assim?
Dizem que suicidas são pessoas egoístas, mas discordo.
Quando alguém opta por morrer é porque já foi muito forte, já tentou de tudo, já pensou muito nos outros, já quis com toda sua força continuar vivendo. Mas o cansaço que fali a cima é muito maior.
O ultimo abraço que dei com todo meu carinho foi no meu professor Farani.
Abraçar quem a gente gosta é tão bom né?
Me lembro que quando dividia a casa que u morava com Anderson era tão bom. Sempre o abraçava (como era bom abraçar ele)
Ai as coisas foram mudando.
Por falar em Anderson. Como gostei dele. Nossa!! Projetei nele tudo que eu esperava de uma amizade, de um companheiro e um de eu não ser mais um ser só. Tudo mentira.
Mas não me arrependo em nada. Tive momentos maravilhosos com ele. Praia, ouvir musica, conversar, tomar cerveja, ele cozinhar, comentar o TheVoice. Sinto saudades dele L
E assim como tudo na minha vida, ele se foi. Meu ciúmes, minha carência e minha vontade de tê-lo só pra mim o fez ir de vez. Não restando nada.
Tudo em mim é tão intenso. Agora me lembro de Alê. Como gosto dele também. Mas mais uma vez só eu gosto.
Fico mendigando a atenção dele e ele nem ai. Só nos interesses dele, não existo, fico tentando fazer acontecer uma amizade que ele não faz a mínima questão. Foda se. Mas queria ser importante pra ele. Desgraça de vida viu.
Leo e Mazinho nem se lembram mais de mim.
Queria não senti falta ou gostar mais de ninguém. Mas não sou assim.
O outro é importante pra mim. Mas o problema é que dou importância demais ao outro.
E faço de mim um mero coadjuvante de minha merda de vida.
Morrer parece ser a melhor solução.
Vou pensar mais sobre isto novamente.

Não vejo uma mudança. Ser o que sou é horrível. Me detesto. 

sábado, 2 de abril de 2016

Sobre os textos.

Todos estes textos foram escritos no celular e não tive coragem de postar no momento em sentia tudo isso.
Aos pouco vou me encontrando novamente sozinho. A saudades vai sendo cada vez menos dolorida e outros problemas e vivencias vão ocupando minha vida.
Ao ler tudo isso (geralmente não os leio quando escrevo, deixo a emoção nas pontas dos dedos)
Vejo como me entrego e sofro com essas paixões. Não sei porque sou assim.
Mas um dia eu mudo ou não sei o que será de mim.
Postei tudo isto aqui ja que este blog é quase secreto. Uso mais como um desabafo. Coisas que não podem serem postadas no face.
E também pra depois ler novamente e ver quanto tempo perdido por nada.
E quam sabe um dia eu fique famoso e alguém descobre este blog e eu vire uma fofoca daquelas. kkkk
Ou seja uma pessoa que será uma mente pra estudo. kk
Mas seja lá o que for, esta tudo aqui registrado. Este sou eu, cada palavra foi sentida verdadeiramente. Entre choros, raiva, ciúmes, vontade de morrer, solidão eu estava completamente despido de qualquer inverdade. Posi escrevendo a noite e sozinho em nossa cama, nos parece que estamos protegidos das máscaras que as vezes somos obrigados a usar.
Se divirtam e se emocione com minhas neuroses (sei que são neuroses) Mas seja o que for, que nome venham a dá. Este sou eu.

08/12/15

A vontade que tenho é de gritar pra você o quanto sou apaixonado por você, o quanto te desejo, o quanto tenho vontade de te beijar, te abraçar e te dizer o quanto te quero.
Morro de inveja e ciúmes de ver você com essas mulheres. Quero tanto ser desejado por você, te fazer feliz, ter sua atenção, seu carinho, sua tesão e te fazer gozar gostoso. Ai meu Anderson eu sou completamente apaixonado por você. Amo este seu sorriso gostoso, este seu corpo, seu cheiro e você todo. Daria minha vida por um momento completo com você. Ter você como essas suas mulheres já te teve. Essa sua boca linda, que tanto desejo beijar, sentir seu gosto, seu hálito e sua respiração. Te quero mais do que quero continuar vivendo.

Se eu tiver você e morrer em seguida, toda minha vida teria valido a pena.

Viver dói. 11/01/16

Neste dia tentei mais uma vez me matar


Hoje a vontade de me matar voltou a me chamar.
Quero morrer por tantos motivos:
Feio, pobre, rejeitado por todos os homens que amei e muito rejeitado pelo que amo agora.
Tô desempregado, não tenho nada e nem ninguém. Pra quê viver?
Me sinto um incômodo na humanidade.
Felicidade não existe em minha vida. Cato migalhas, parasito a felicidade alheia. Minha vida é uma droga. Nem sexo eu faço, pois ninguém me deseja.
Hoje sinto inveja de quem ta com a pessoa que mais quero, a pessoa que faria a vida valer a pena ser vivida.
Acredito que mesmo que eu ficasse rico, esta angustia e rejeição me acompanharia, pois o que mais quero dinheiro não compra. Um olhar apaixonado do homem que amo. O abraço apertando, o beijo demorado e o melhor sexo do mundo. O feito com a pessoa amada.
Tudo isso é utopia. Minha realidade é a rejeição e o desprezo.
Preciso morrer.
Vivir dói.

M.V.

05/11/15

O companheiro de casa. 

Meus sentimentos ta uma bagunça da porra. O ciúmes me consome, um ciúmes que não era para existir. Uma paixão, carência, tesão, vontade de abraçar, tocar, beijar, chupar, transar e tudo mais. Tudo que a pessoa desejada faz com outra. E eu enlouquecendo de tanta vontade de te ter. Como gosto de você. Que porra!
Já que meu destino é sofrer, que passa a ser outro. Quero te ver como amigo, mas no momento te vejo como um homem lindo, gostoso, do sorriso mais lindo que meus olhos enxergam durante o dia.
E saber que para você eu não sou absolutamente nada. Apenas um companheiro de casa (que você deve achar insuportável).

O que fazer com tanto querer bem dentro de mim? Tanto gostar, tanto tudo e nada posso dar a ninguém, pois tudo isto não serve para nada. Pois tudo que eu sinto, é apenas o que eu sinto.

14/09/15

Este texto foi de uma paixão anterior. Os textos estão fora de ordem de data, mas fiquei com pena de apenas apaga-los. 







Que bem me faz te ver, olhar seus olhos pequenos, sua linda boca, este seu corpo moreno e magro.
Gosto de gostar de você, te decifro, te entendo e te quero bem.
Tanto tempo que não ganho um abraço seu, que não tomamos sol juntos, que não vemos o mesmo mar.
Me sinto importante sem puder te fazer bem. Gosto tanto de você.
Não sei mais denominar este gostar. Paixão, apego, tesão ou amor. Só sei que te gosto. Quero te ver bem. Cada vez que vai embora, um pouco de mim vai com você. A vontade de ir junto, de te preparar algo pra comer, de deixar suas coisas de trabalho prontas para o dia seguinte, cama arrumada, conversar sobre seu dia, rir de besteiras e até chorar se for preciso. O importante é está com você.
Parece clichê, mas as vezes acho que já nos conhecemos de outros momentos, vida ou sei lá de onde.
Tudo isso já tem um ano. Um ano de querer bem, as vezes raiva, sensação de rejeição, mas sei que você gosta de mim. Do seu jeito torto e meio grosso, mas gosta. Não digo que é migalhas, não é porque você não me goste como te gosto que você não goste( ficou muito gostar numa frase so).
Nesta hora você já está em casa, já comeu algo (que não foi preparado por mim), está deitado em sua cama (sem mim) e teclando com alguém no zap, que não sou eu.

Por quê é assim? Você ai sozinho e eu aqui sozinho?? O destino nos juntou mas não nos uniu. Será este o melhor caminho pra nós??